Archive for the ‘filosofia’ Category

O que Dostoiévski diria sobre as exposições “Queermuseu” e “La bête”

24 de outubro de 2017

bobok-fiodor-dostoievski-plano-critico

As recentes polêmicas relativas ao cancelamento da exposição “Queermuseu” pelo Santander Cultural, em Porto Alegre, e a performance “La bête”, no MAM de São Paulo, onde houve exposição de crianças a cenas de pedofilia e zoofilia, no primeiro, e contato físico com um homem nu, no segundo, geraram inúmeros debates sobre a criminalização da arte.

Conforme noticiou O Globo, “Como parte da campanha 342 Artes, artistas brasileiros se uniram para gravar vídeos contra a criminalização da arte. Entre os que participaram, estão a atriz Fernanda Montenegro. ‘Tudo é cultura, inclusive a cultura de repressão. Mas só há um tipo de cultura que realmente constrói um país: a cultura da liberdade’, diz essa. A campanha também conta com Caetano Veloso, Marisa Monte, Cissa Guimarães, Adriana Varejão, Zezé Polessa, Antonio Calloni, Vik Muniz, Marcos Caruso, Alinne Moraes, Ernesto Neto, Luiz Zerbini”.

Para os artistas mencionados, trata-se de um debate entre “conservadores” e “liberais”  ou seja, entre pessoas retrógradas e ultrapassadas, que resistem aos “novos tempos” e a “nova mentalidade”. Por outro lado, o liberal é alguém “prafrentex” que desbarata tabus em prol do progresso da humanidade. A arte seria um âmbito ilimitado de expressão, onde “tudo é permitido”, pelo simples fato de ser uma expressão artística.

Ocorre que, conscientes ou não, esses artistas, e todos os que propugnam uma arte sem limites, ocultam um propósito maior: a reviravolta nos costumes e valores da sociedade. Não é mera coincidência que muitos desses artistas foram, nos anos 60, arautos do “é proibido proibir”, e propugnavam uma completa liberação dos costumes.

Na obra Os Demônios (1872), Dostoiévski, alerta para inúmeros males que estavam acontecendo na Rússia, indicando o seu diagnóstico: são fruto da implantação do ideário socialista e niilista.  Em Os Demônios, o gênio de Dostoiévski profetizou, com quarenta e cinco anos de antecedência, a revolução que viria ocorrer em 1917.

Os demônios de Dostoiévski são, antes de mais, niilistas.  Tem como propósito a total aniquilação da civilização ocidental, fundamentada, essencialmente, na filosofia grega, no direito romano e na religião judaico-cristã. Cria-se, assim,  o ambiente propício para a implantação da revolução proletária, o Éden sem Deus. A total perversão da moral, o desprezo à vida, dom mais sagrado dos homens, devem ser estimulados, pois são imprescindíveis para a conquista do poder político.

Mas é na degradação e perversão sexual das crianças que Dostoiévski indica como um dos sinais mais terríveis dessa mentalidade.

A absoluta relativização moral, além do tédio que caracteriza Stravroguine, um dos demônios de Dostoiévski,  leva-o a abusar sexualmente de Matriocha, uma menina de doze anos.  “Diante de mim vi Matriocha emagrecida, com os olhos febris; abanando a cabeça, ameaçava-me com o pequenino punho. Era lamentável o desespero duma criaturinha impotente, inteligência ainda informe, e que me ameaçava (com quê? que me poderia fazer?), mas que decerto só se acusava a si própria. Não lamento o meu crime”.  Matriocha, de “inteligência ainda informe”, acaba por enforcar-se, culpando-se a si mesma. Enquanto delirava de febre, dizia: “Matei Deus”!

Por trás da expressão ilimitada da arte a que expomos as crianças inicia-se ao envenenamento gradual de toda ideia de belo, bom e verdadeiro (os  gregos consideravam inseparáveis o belo do bem, o que sintetizavam pela palavra “Kalokagathia” [καλοκαγαθία], conceito grego derivado da expressão kalos kai agathos [καλός καi αγαθός]).

Ao final, ébrias, seriam capazes de assassinar até Deus com as próprias mãos.

Anúncios

NEW YEAR: Si vis pacem, para bellum!!!

15 de janeiro de 2016
História da Rússia. Império Russo. Guerra Patriótico contra Napoleão. F. Robeau. Batalha de Borodino

History of Russia War against Napoleon. F. Robeau. Battle of Borodino

The end of the year is marked by exchanges of greetings and good wishes: Happy New Year!  Good health, peace, happiness, etc.   Not to mention the achievement or renewal of pledges: “-In 2016, I will finally stop smoking!”.   “-In the coming year I will pass the contest for justice!”   Thus, everything that seemed impossible before, has its hopes renewed thanks to the “magic gateway” of change from one year to another.  Some even resort to mystical strategems like jumping seven waves on New Year’s Eve, dressing in white, making offerings to Yemanjá, etc.   But is this gateway really magical?   We all have practical experience in what, in fact, it is not.   Perhaps on the very night of New Year’s we have already broken some of our promises, despite good intentions.   But how can we really achieve the goals that we set, be they dietary, professional, or related to human and personal growth and improvement?   Once, while visiting the Fort of Copacabana, in Rio de Janeiro, I read the following Latin phrase on the gateway of the entrance: “Si vis pacem, para bellum”, which means, “if you want peace, prepare for war”.   In other words, peace, true peace is the result of war…against ourselves…against our vices, weaknesses and flaws, which limit us and lead us to defeat in the quest to achieve our ideals.   Thus, as with all war, it is necessary that we have a strategy and, above all, determination.   In the book The Way of Perfection, Saint Teresa teaches her spiritual daughters, saying that “most important, above all, is a great and firm determination to not stop until you arrive at the source of living water… whatever the cost… Although the world falls down we will proceed” (21,2).   The real enemy of our ideals is often ourselves.   Therefore, if we really want to win and achieve our goals, it is necessary to declare war against ourselves and have the “determined determination” that Saint Teresa spoke to us about.   With that, our greetings, good wishes and promises for 2016 will become reality.   HAPPY 2016!  

philosophy, everyday philosophy  

THE ROOTS OF VIOLENCE IN CURRENT TIMES

14 de fevereiro de 2015
02Much is said about the escalation of violence in the world.   In relation of its causes, in the case of Brazil, the generally accepted opinion is that would be basically two: impunity and the existence of large sectors of poverty in the country, fertile soil for the growth of crime  
Regarding impunity, without doubt, the three state powers have their share of responsibility: the dubious behavior, several times by the judiciary in the punishment of offenders; the criminal legal entanglement and criminal procedure, where you can always find a loophole; the unpreparedness of the police, the lack of political will of governments to address the problem and solve it once and for all are important factors for the normalization of violence in the country.  
However, we note that all the above mentioned causes are “extrinsic to man” and in conformity with law and politics.  They are measures which prevent or repress violence, but which do not act on the origin of the wickedness.  
Poverty and socioeconomic marginalization also cannot be diagnosed as a reason for excessive violence, seeing as the problem affects all socioeconomic classes without distinction.   In this respect, we cite as an example the case of Suzane von Richthofen, a beautiful girl from São Paulo´s upper middle class who studied law in one of the country´s best colleges and who murdered her parents in cold blood and in the cruelest of ways, helped by her boyfriend and her brother; the Pitt boys, etc.   Besides this, we recall that it became an international drama.   Now and then we come across in the news the story of a child murderer, a serial killer who announces his action on YouTube, and, after killing innocent people, commits suicide, etc.  
Thus, in my view, the root of the current normalization of violence is not to be found in the bad distribution of income or in the failure of the state apparatus to combat it.  It can be seen as an evil of modern society, one being suffered at the global level.   The normalization of violence is the externalization, the symptom of a civilization that is wasting away.  
The modern person finds him or herself submersed in nihilism which, in Nietzsche´s understanding, “is not just the contemplation of the uselessness of everything, not just the conviction that everything deserve to fall into ruin; putting hands to work, let them help lead things to ruin… That is, if you will, illogic; but nihilism does not believe in the obligation to be logical.. It is the state of strong spirits and wills, and they are not able to cope with the “no” of personal judgment – the “no” of action is then part of their nature.   The annihilation with the hand accompanies the annihilation done with personal judgment.”  
The contemporary cultural amalgam has as its main victim the young, where the scant moral and ethical education received in the family and in community life, allied with the fact that they are more susceptible to absorbing prevailing values, has as a consequence the appearance of a “juventude transviada” (youth lead astray), as sociologists call them.  
The poorest communities also end up suffering more intensely: “And what results from that right to the multiplication of needs? For the rich, the spiritual isolation and suicide, for the poor, the envy and the murder, while those rights were conceded but still don´t show the ways to satisfy the needs.”   (Dostoyevsky, The Brothers Karamazov).   We remind here the tragic case of the bus 174, in Rio de Janeiro in 2000, which was held in the neighborhood of the Botanical Garden for nearly five hours, at the point of a gun, by Sandro do Nascimento Barbosa, a victim of the old Slaughter of Candelaria.   This young man, thirst to be socially recognized and saying he wanted to be famous – something envied and desired by so many people – chose the path of crime to achieve this dream.  
So it seems to me mistaken the solution proposed by some of the poor birth control as a way to contain the violence, because it would be the same as social castration, turning those who are victims of violence in guilty.  
Thus, beyond the necessary and indispensable reforms in our state apparatus of repression violence, a cultural change is made essential, so to provide a solid human formation to all members of society, as well as the proposal of “new values “for the peaceful coexistence of man in society, especially the respect that every person should have for others and for justice, otherwise the society of men devour itself.  
However, respect for mankind and justice as key pivots for life in society are not a new idea.   In the myth of Protagoras, Plato shows us which is the only base on which human society can be maintained.   The myth tells us that it is not enough to have refined technical skills and fire, that is, the powerful energy freed up by technique and labour, if humanity does not retrieve the other divine gifts ( given by Zeus), i.e. respecting others and abiding by the laws, two qualities that the king of Olympus wished bestowed upon all without exception.  
Moreover, in the passage about Crito, Plato explains very clearly the second principle, according to which one should never cause injury or injustice to men, even when we ourselves are victims of evil or unfair actions.   We must never commit evil actions and we should not repay evil actions with vengeance.  
However, often justice is not enough to assuage tempers and reestablish peace.   In this sense, Cicero used to say: “summum ius, summa injuria”.   [Cícero, De Officiis 1.10.33].  Sometimes, extreme justice is the greater injustice of all.  Therefore, it is necessary to drastically change love, the love of giving, the desire of wanting the best for others for themselves, and to act in a selfless way to find a solution to the problem of violence.   About charity as a foundation for society, Pope Benedict XVI, in his encyclical “Deus Caritas Est” (God is Love) recounts an interesting episode that took place in the early times of Christianity: “the emperor Juliano The Apostate († 363) deserves to be quoted.because he demonstrated, once more, just how essential it was, for the church in those early centuries of its existence, to rely on charity that was organized and practised.   Six year old, Julian witnessed the assassination of his father, his brother and other family members by the guards of the imperial palace; he attributed this brutality to – rightly or wrongly – the Emperor Constantius, who posed as a great christian.  As a result, the Christian faith was discredited in his eyes once and for all.   Upon becoming emperor, Julian decided to restore paganism, the ancient Roman religion, but at the same time reforming it to make it the driving force of the empire.   For this, he was amply inspired by Christianity.   He established a hierarchy of metropolitans and priests.   They had to promte love of God and any people.   In one of his letters, [16] wrote that the sole aspect of Christianity which had impressed him was the Church’s charitable activity.  For that reason, he considered essential for his new pagan religion that, alongside the Church’s charity system, an equivalent activity of its own.   The “Galileans” – he said – had just won its popularity.   Had to imitate them, if not overcome them.   In that way, the Emperor confirmed that charity was a decisive feature of the Christian community, the Church.  
So it is not the technique that will restore the earthly paradise.   Faith in technical progress, in the words of Theodore W. Adorno, led to progress from the sling to the atom bomb.   If humanity does not recover the other divine gifts – from Zeus – that is, respect and justice, and not based on love, is doomed to self-destruction, as it was on the verge of happening in our recent past with the second World War II and the Cold War.  

O Paradoxo da Igualdade

10 de janeiro de 2015

Janaina Conceição Paschoal – Direito penal politicamente correto

10 de junho de 2012
Código Penal para acadêmicos: rígido com o abandono de cães, não com o aborto. Homicídio prescreve; racismo não. Drogas? Caso de saúde. Bullying? Polícia

Penalistas sempre denunciaram o fato de o legislador criar crimes para atender o clamor público. Mas várias das propostas para um novo Código Penal vêm para atender aos reclamos da intelectualidade.

Por um lado, a comissão diminui a pena daquele que realiza um aborto na gestante e alarga consideravelmente as hipóteses em que se torna lícita tal prática. Por outro, a mesma comissão propõe pena de um a quatro anos para quem abandona um cachorro na rua.

Isso sendo que, atualmente, o abandono de incapaz está sujeito a uma pena de seis meses a três anos.
Não é raro, no ambiente acadêmico, encontrar pessoas que defendem o aborto como política de saúde pública e, ao mesmo tempo, entendem ser crime grave usar ratos como cobaias de laboratório. É uma inversão de valores intrigante.

A questão da discriminação é outro exemplo. Alarga-se significativamente a incidência do direito penal nessa seara, quando, com todo o respeito, ações afirmativas seriam muito mais eficazes.

Nesse sentido, cumpre destacar que já não há qualquer proporcionalidade no fato de o racismo ser imprescritível enquanto o homicídio prescreve. E todos aceitam tal situação como normal…

Foi aplaudida também a proposta de criminalização do bullying e do tal stalking (perseguição obsessiva), pois é inadmissível alguém ser humilhado.

Os juristas se esquecem de que um pouco de agressividade faz parte do processo de amadurecimento -e que ensinar a criança e o adolescente a respeitarem o outro é papel da família e dos professores, não da justiça penal.

Ademais, os atos de violência que resultam em morte ou lesão grave já são crimes onde quer que ocorram, inclusive na escola.

Criminalizar o bullying retirará dos pais e dos professores a sua responsabilidade. Para que dialogar? Por que tentar integrar? Basta chamar a polícia.

A esse respeito, é curioso constatar que o mesmo grupo que defende que as drogas são uma questão de saúde traz propostas que implicam dizer que falta de educação é um problema policial.

Paulatinamente, abrimos mão de nossos poderes e deveres em prol de um Estado interventor, que nos dita como ser, pensar e falar. É o império da padronização.

Também é surpreendente a notícia de que a comissão preverá o acordo como solução célere do processo, principalmente pelo fato de, ao ser anunciada a medida, ter sido comemorado o rompimento com o devido processo legal, uma das maiores conquistas democráticas.

Quem conhece a realidade forense sabe que não existe qualquer paridade entre as partes. Como na transação penal, os acordos serão impostos -com a conivência de muitos defensores.
Mesmo que decidamos adotar o instituto da barganha -que, aliás, tem natureza também processual- é necessário, primeiro, um maior amadurecimento.

Por mais que a legislação atual seja falha, não pode ser reformulada a toque de caixa. São Tomás de Aquino já ensinava que só é justificável mudar a lei quando os bônus são maiores que os ônus.
Não é o que se anuncia. Não podemos transformar a lei penal, braço mais forte do Estado, em uma sucessão de bandeiras do politicamente correto. Há medidas menos invasivas e mais efetivas para a concretização de uma sociedade mais solidária.


JANAINA CONCEIÇÃO PASCHOAL, 37, doutora em direito penal pela USP, é advogada e professora livre-docente da Faculdade de Direito da USP
Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo,em 10/06/2012 

Homenagem ao Exemplo

27 de maio de 2012

Peço licença aos leitores do blog para falar de uma pessoa muito especial.

No último dia 3, Virginia Rosa Sias, minha avó, finalmente descansou aos 91 anos. Escolheu o mês de Nossa Senhora, de quem era devota, para nos deixar.

Portuguesa, trabalhou desde criança até quase 80 anos, pois Portugal de sua infância era um país pobre e atrasado, que vivia do passado glorioso.

Minha avó era otimista e olhava para frente. “É pra frente que se anda. Quem anda para trás é caranguejo” dizia. Resolveu sair de lá. Turrona, veio de navio sozinha tentar a vida. Adotou o Brasil como país e o Rio de Janeiro como cidade. Adorava o Pão de Açúcar e a praia de Copacabana.

Em uma sociedade hedonista e consumista, minha avó era um delicioso anacronismo. Fazia milagres com seu dinheiro e dava lições de economia doméstica. Singelas, elas continham grande sabedoria: “ganhe 10, gaste 9 e guarde 1. Poupe sempre”.

Tudo que conquistou foi fruto exclusivo do seu esforço, dedicação e mérito. Trabalhou duro. Orgulhava-se de ter sido vendedora da Avon. Nas poucas horas vagas, fazia e vendia peças de tricô.

Nunca compreendeu pessoas preguiçosas. Estranhava movimentos sociais que estão sempre em busca de favores estatais. “Será que acham que dinheiro cai do céu?” sempre me dizia. Era a sua versão do “não existe almoço grátis” do famoso economista Milton Friedman.

Já velhinha, recusava-se a morar com a família. Respeitava a individualidade e a privacidade. “Cada um deve ter a sua vida e seu canto”. Preferia ficar no seu pequeno apartamento, comprado às duras penas com financiamento da Caixa Econômica. Só se rendeu quando não havia mais jeito.

Gostava de novelas, mas se desinteressou nos últimos anos. Segundo ela, só andavam incentivando “sem-vergonhices”. Não há argumentos contra a sua opinião.

Minha avó tinha muito fervor religioso – rezava todos os dias – e era a pessoa mais tolerante que conheci. “Cada um faz o que quer, não é? Se não esta incomodando os outros, ninguém deve se meter” aconselhava. Era moral sem ser moralista.

O que lhe faltava em cultura sobrava em valores morais. Seus ensinamentos eram ricos porque ancorados em uma tradição portuguesa e católica, as mesmas que formaram o nosso país e que vivem sendo questionadas por sociólogos ativistas bobocas.

Pensando nos valores que herdei de minha avó, não tenho como analisar a crise europeia como apenas uma crise econômica. Trata-se de uma crise de valores. Como unir um continente sob uma Constituição sem citar a contribuição do Cristianismo para sua identidade comum?

Defendia que a mulher trabalhasse e não fosse dependente do marido. Era feminista a sua moda, mas ficaria horrorizada com a defesa do aborto. Era do tempo em que se dedicar aos filhos era uma alegria e não um fardo.

Sua única mágoa da vida era não ter estudado. Por isso, valorizava a educação mais que tudo. Esforçou-se à exaustão para que minha mãe tivesse acesso ao conhecimento que ela não teve. Tinha o maior orgulho de sua filha e de seus netos por terem feito faculdade. Quem dera todos os brasileiros tivessem essa preocupação.

O que mais admirava nela era a sua ousadia e obstinação. Com todas as suas limitações, nunca desistia. Em uma época em que certos grupos defendem a eutanásia, minha avó suportou quase 9 meses de CTI com dignidade e bravura. Aliás, como fez com tudo em sua vida.

Deixou para sua família saudades e seu bem mais precioso: o exemplo.

Obrigado Vovó! É uma honra ser seu neto.

Rodrigo Sias é economista

O Guia Politicamente Incorreto da Filosofia

30 de abril de 2012

Entrevista com Luiz Felipe Pondé, filósofo, doutor em Filosofia Moderna pela USP/Universidade de Paris e pós-doutor pela Universidade de Tel Aviv, Israel

http://cbn.globoradio.globo.com/programas/show-da-noticia/2012/04/14/EM-O-GUIA-POLITICAMENTE-INCORRETO-DA-FILOSOFIA-AUTOR-CONTA-COM-IRONIA-A-HISTORIA-DO-PO.htm

Why Beauty Matters

29 de fevereiro de 2012

A ética da substituição

7 de janeiro de 2012

As pessoas têm uma impressão subjetiva, mas errada, de que, ao renunciar a alguma coisa prazerosa, algo lhes rouba sua própria liberdade

A ciência da nutrição é hoje uma das atividades que mais ganha espaço e prestígio no meio acadêmico e profissional. O papel do nutricionista é cada vez mais valorizado ao orientar nossos hábitos alimentares, ajudando-nos a priorizar os aspectos da alimentação que são realmente importantes, levando-se em consideração as características e necessidades de cada pessoa. Sabe-se que a obesidade é muitas vezes consequência de vários fatores associados, inclusive de desequilíbrios nutricionais, ou seja, excessos e carências de nutrientes e, portanto, jamais será resolvida unicamente pela simples restrição na ingestão de calorias. Mais do que não comer, essa ciência tem descoberto que o que realmente importa é comer inteligentemente, evitando, por exemplo, misturar carboidratos com proteínas e alimentando-se de forma mais espaçada ao longo do dia.

Entretanto, por mais que a ciência alimentar avance na parte teórica, a dificuldade para depois colocar em prática essas orientações nutricionais é enorme, ainda mais se ampliada pela pressão cultural. Efetivamente, muitos hábitos alimentares sabidamente nocivos para a saúde – relacionados a fast food, churrascarias, rodízios de massas/pizzas, sorveterias requintadas, excessos nas sobremesas, refrigerantes nas refeições, entre outros – são estimulados pelas indústrias do setor, as quais, por meio de experientes técnicas de marketing a serviço de suas ânsias capitalistas, destroem propósitos bem intencionados de mudanças de hábitos alimentares. Em geral, a fraqueza humana cede rapidamente à satisfação de prazeres fáceis, ainda que sejam inconvenientes.

Essa mesma dialética pode ser ampliada para muitos outros prazeres humanos, como o sexual, o da diversão, o da vaidade, o do conforto, o de poder. Vejamos alguns exemplos. É cada vez mais comum descobrir patologias ligadas ao sexo desvairado, mas o homem pouco tem perseverado em sua prática responsável. A psicologia infantil tem denunciado consequências nocivas para o ensino-aprendizagem devido ao excesso de horas de tevê e de internet, mas muitos pais preferem deixar as crianças divertindo-se sem controle nesses veículos de comunicação. Portanto parece que, apesar da ciência continuar avançando na descoberta da verdade sobre o homem, este não consegue progredir na mesma proporção do ponto de vista ético. Qual seriam as causas dessas incoerências?

Acredito que a resposta para essa indagação esteja na ciência ética, que aponta a diferença entre a razão teórica (abstrata) e a razão prática. A primeira potencializa a inteligência para a descoberta dos princípios vitais que nascem das finalidades das ações – por exemplo, é bom ser sóbrio – enquanto que a razão prática, apoiada nesses princípios, vai julgar e decidir a conveniência das ações práticas concretas que levarão a alcançar tais fins. Seguindo com o exemplo anterior, ela verificará se, em determinada circunstância, tal pessoa deverá/poderá tomar ou não certa bebida alcoólica para se manter sóbria tendo em vista os outros e ela mesma. Essa virtude intelectual – a qualidade que facilita agir sempre dessa forma – é chamada de prudência. Mas existe ainda um terceiro movimento interior na dinâmica das virtudes. Não basta uma pessoa querer ser sóbrio (intenção) e identificar os meios para sê-lo (meios práticos concretos para alcançar a virtude) se depois não é capaz de renunciar àquilo que lhe resulta atrativo, mas que dificulta a sobriedade: essa é a virtude moral da temperança.

Infelizmente, a palavra “renúncia” parece ser hoje uma palavra proibida. As pessoas têm uma impressão subjetiva, mas errada, de que, ao renunciar a alguma coisa prazerosa, algo lhes rouba sua própria liberdade. Entretanto, muitas vezes essas pessoas não percebem que todas as boas escolhas trazem como consequência uma renúncia a outras alternativas, que também eram prazerosas, mas cuja renúncia depois se percebe que valeu a pena. O segredo está em aprender a escolher aquilo que é realmente mais prazeroso e duradouro.

Sou da opinião de que, diante de um mundo hedonista/materialista, no qual reina a ética do prazer sensível como ilusão de felicidade, nunca foi tão importante valorizar a educação da temperança, tanto na infância quanto nas demais idades. O filósofo alemão Rhonheimer a define como “o aperfeiçoamento do apetite concupiscível (aquele que inclina ao prazer), fazendo com que esse apetite dirija os sentidos (olhos, paladar, tato…) a valorizar o que é realmente mais prazeroso, não permitindo que o homem seja enganado por eles”. É interessante essa definição, porque a ênfase não é posta tanto na negação, na renúncia ao prazer, mas no aperfeiçoamento do apetite para o prazer material correto. Voltando a nosso exemplo inicial, a melhor maneira de evitar a obesidade e os problemas nutricionais está em aprender desde cedo a “comer inteligentemente” e a não ser enganado pelo mero bem aparente. Chamo esse exercício de ética da substituição. Por isso, uma boa mãe deve aplicá-la ajudando o filho a descobrir que é muito mais prazeroso brincar com os amigos na rua/playground do que ficar brincando comodamente no computador; uma boa professora precisa orientar seus alunos a experimentar a alegria de produzir e apresentar um trabalho escolar bem feito e demonstrar que vale muito mais a pena do que ficar deitado no quarto vendo tevê por horas a fio; um bom pai deve ajudar seu pimpolho a preferir ir com ele ver um pôr do sol do que ficar se escravizando na pornografia da internet.

Como vemos, a ética da substituição está muito longe da ética da repressão, da sublimação (Freud), da neurose. Pelo contrário, é a ética da afirmação! Desejo neste artigo que todos os educadores busquem os mesmos ideais de muitos bons nutricionistas atuais, de forma a orientar a razão prática de suas crianças a preferir claramente um bom “filé mignon” a montanhas insubstanciais de “algodão doce”. Tenho a certeza de que essa pressão interna que gera a virtude fará com que, aos poucos, mudemos a pressão cultural.

João Malheiro é doutor em Educação pela UFRJ. E-mail: malheiro.com@gmail.com Blog: escoladesagres.org

FONTE: http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1209965&tit=A-etica-da-substituicao

Luiz Felipe Pondé: Lei da Palmada espanca liberdade individual

23 de dezembro de 2011

Aprovada na semana passada na Câmara, a Lei da Palmada –que pune pais que aplicam castigos físicos nos filhos –seguiu para o Senado e deve causar mais debates na Casa.

O assunto é destaque do comentário do colunista da Folha Luiz Felipe Pondé.

“Leis desse tipo representam a tentativa do Estado de resolver todos os problemas do cidadão. É tipicamente uma lei fascista”, afirma.

Para o filósofo, o Estado não tem nenhum mecanismo ou capacidade para interferir dessa forma na condução da educação dos filhos. “A não ser que ele [Estado] se transforme em espancador da liberdade individual”, diz.

Ouça o áudio em http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/podcasts/1023907-luiz-felipe-ponde-lei-da-palmada-espanca-liberdade-individual.shtml

Leia também neste blog Mamãe, obrigado pelas palmadas! https://tatarana.wordpress.com/2010/07/28/mamae-obrigado-pelas-palmadas/


%d blogueiros gostam disto: